Águas de Lindóia

Circuito das Águas

Águas de Lindoia é um dos 11 municípios paulistas considerados estâncias hidrominerais pelo Estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do Estado para a promoção do turismo regional. Também, o município adquire o direito de agregar, junto a seu nome, o título de estância hidromineral, termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

Até o século XVI, a região era habitada pelos índios caiapós. A partir de então, começou a ser ocupada pelos bandeirantes. No século XVIII, a região era frequentada por tropeiros que viajavam para o planalto goiano, passando por Minas Gerais. Eles foram os maiores divulgadores dos poderes das águas da região. Se demoravam no local porque já sabiam das propriedades das águas curativas.

Assim começou, através desta gente simples, a divulgação do poder das águas. Na virada do século XIX para o século XX, a região começou a ser ocupada por fazendas de café baseadas na mão de obra assalariada dos imigrantes italianos. Em 1915, o médico italiano Francisco Antonio Tozzi, da comarca de Serra Negra, mudou-se para Águas de Lindoia e iniciou os estudos sobre as curas de doenças de pele e reumatismo. Turistas e cientistas chegaram de toda a parte. Em 1932, a cidade participou da Revolução Constitucionalista de 1932, que lutou contra as forças do governo central brasileiro. Hoje, a infraestrutura da estância é ampla e variada.
Além de seus recursos termais, no município também encontram-se malharias, empresas de engarrafamento de água mineral e também o artesanato.